#wavestories: quando estás meses sem ver o mar

Photo by Marina Maliutina on Unsplash

Para alguns é sacrifício não comer o que se gosta ou a ausência de contacto físico. Para outros, eu incluída, sacrifício é viver sem o mar. Estar meses sem ver o mar, sentir o mar. Quis a vida enviar-me para os Alpes há quase três anos. A coisa até corria relativamente bem, com uma média de viagens a Portugal a cada três meses, mas nada controlamos nesta vida, e aqui estou, presa às montanhas. Sabe-se lá até quando.

Podia fugir. Clandestinamente. Até me vejo nessa aventura. De atravessar as fronteiras à boleia escondida atrás de hoodie e mochila às costas. Mas sou responsável pela minha vida, pela saúde e consequentemente de todos com quem possa interagir. Confesso que me custa, muito mesmo, não saber o quando. Quando é que irei voltar para ti, meu mar.

Não há muito a fazer. Há que aguentar o que se pode, e quando já não der para mais, aguentar à mesma. A vida é mesmo assim.

A última vez que pus os pés no mar foi em Dezembro, na praia da Torre. Tive azar no Natal, levei com a tempestade, o mar esteve revolto nos dez dias que estive por casa e só tive coragem de entrar naquelas pequenas ondas da Torre. A ausência de mar tem aumentado substancialmente o meu medo. Não me sinto de todo confortável na água. Não confio na minha capacidade física para remar. Basta sentir uma rebentação mais forte que desisto de ali estar.

Nestes dias, longe, nestes dias em que aguento mesmo quando já não dá para mais, entro nesta dicotomia do medo e da insistência. Por que raios desisto quando tenho? Porque não insisto em aguentar mais um bocado pelos tempos em que não consigo? Penso saber a resposta. Nesses momentos em que considero que “isto é demasiado para mim“, em que sou assoberbada pela minha realidade, fico grata por ter pelo menos tentado. É que ninguém vive no futuro, só no momento presente. E naquele momento, jamais penso que não te irei ver, meu mar, durante meses a fio sem previsão de voltar. Por isso, o que faz sentido aqui e agora, não faz neste instante que já é o futuro. Vivemos de escolhas conscientes. Decisões que temos de acartar a responsabilidade. E a de sair do mar quando tenho a oportunidade de lá estar é sinal de que a esperança de voltar é sempre muito grande. Como aquilo de dar a vida por garantida.

Afinal nem contigo, meu mar, as coisas são simples assim.