Inevitavelmente para sempre

Certas manhãs acordo com uma frase em loop cantante dentro de mim. Who wants to live forever. E respondo a mim própria sempre da mesma maneira: Eu Quero. Quero eternizar momentos da vida, congelá-los até. Prendê-los em mim como uma âncora, porque são tão bons, tão vívidos, tão cheios de tudo que não temos vontade que acabem. Apenas que ali pereçam. Para aprender a viver para sempre, saber saltear os momentos com tempero certo, dosear o sentimento e a frugalidade da vida, chorar e sorrir quando a alma pede, precisamos de aprende que o ying tem o seu yang, tal como a vida tem o seu fim.

Não é pesado, triste ou doloroso. Viver com consciência e a presença de um fim físico é uma aprendizagem; é a minha maneira de viver para sempre.

É inevitável

Saber que os momentos acabam é lidar com a verdade, com facto da inevitabilidade. Faz com que sejamos mais preparados para o que der e vier. Porque vamos acabar por ter de enfrentar o momento quando chegar. Não há o que temer, apenas ir vivendo ao sabor do vento e saber que, no fim desta magnífica viagem, foste o Comandante do teu navio.

Alcançar a minha melhor versão

Eu sinto uma gratidão intensa, imensa por poder ter a vida que tenho. Não passo fome. Tenho um tecto. Tenho o meu trabalho, a minha capacidade intelectual, o meu espírito iluminado. E ainda assim, podia ser melhor. Acredito que a missão de cada um aqui presente é uma elevação ao nosso melhor. Pergunto-me, e se tudo isto acabasse agora, o que deste de ti ao mundo? Deste mesmo o teu melhor hoje, agora? Posso e devo fazer sempre mais. É que gentileza gera gentileza. E se formos todos um pouco melhor hoje do que ontem, não estaremos a construir um futuro mais feliz?

Re(Con)tribuir com amor

Se é inevitável o nosso fim, também é inevitável que os bons sentimentos perdurem na eternidade. Sei bem a saudade que sinto de quem já partiu, mas acima de tudo, o que me faz ponderar, é saber se fui capaz de entregar o meu coração. Amei-os tempo e intensidade vibrante suficiente? Mostrei-lhes isso, sem orgulho, sem preconceito? E quem hoje vive à minha volta sabe o que sinto por eles? Bem podem imaginar corações voadores a saírem dos meus verdes olhos, porque um coração cheio de amor para dar, é retribuído com a graça de uma vida plena e tem direito a congelar os sentimentos para sempre.

A minha vida em loop tal como a música de Freddy Mercury. Não devemos viver ignorando a morte; devemos viver sabendo que a sua presença vai-nos ajudar a viver para sempre. Quem não quer?