Categoria: outros

Silhueta do nosso litoral

regressar a casa e ao surf

Bate sempre uma saudade mais apertada quando o avião contorna a silhueta do nosso litoral e se faz à pista sobre o mar, debruçando-se nesta travessia entre a Costa da Caparica e o centro de Lisboa. Neste momento, de quase chegada, a alegria sobe-me à cabeça. Bate forte a saudade. Bate forte a paixão de voltar. Ali naquele instante sei que sempre terei alma lusitana. Confesso que a passagem por casa é sempre curta, demasiado curta para fazer tudo o que quero, para ter o mar que me dá prazer surfar, de regressar ao yoga, às caminhadas à beira-mar, à descoberta de Lisboa renovada aos turistas. Não consigo encaixar tudo; vou sempre embora com a sensação de incumprimento.

Mas depois pego na prancha. Levo-a vezes sem conta comigo, decido no momento se devo ou não entrar no mar. Quando decido pelo sim, dou por mim a aprender mais uma lição. Aceitar com serenidade o que o mar me dá. Pode não ser o melhor mar, de ondas perfeitas, sem correntes ou agueiros, mas é o mar que me ensina a acalmar e a aceitar aquilo que ele me dá, de livre vontade, sem questionar seja o que for. Dá como pode, quando pode. E assim é a vida. Deu-me a possibilidade de voltar a casa por uns dias com sol rasgado e pés na areia. Só posso estar grata. Nada de incumprimento. Agora está na hora de voltar à rotina, cheia de vitamina.