Aulas de surf: sim ou não?

Se nunca tentaste surfar, a resposta é positiva. Se és daquelas pessoas que sempre quis experimentar mas nunca arriscou, a resposta também é positiva. Se entras no grupo de quem já rema por esse mar adentro sem receio, a resposta também é positiva. Aulas de surf: sim!

Fiz essa pergunta várias vezes, será que preciso de marcar umas aulas de surf? Mas como qualquer outro desporto ou atividade na vida, as aulas são vitais para ganhar confiança, conhecimento, e em especial no surf, pela dificuldade de saber ler o mar, pela correção postural, pelo incentivo constante e obviamente, pela comunidade e amigos que nascem na convivência – acabamos todos por perceber que a paixão do surf nos une irremediavelmente.

Já aqui partilhei momentos mais complicados que o surf me proporcionou, correntes inexplicáveis, agueiros traiçoeiros, pranchas que quebram cabeças, mas nada disto eu teria superado nas calmas sem as aulas de surf. Felizmente, hoje, temos muita oferta, escolas de norte a sul do país, umas mais profissionais do que outras, mas a verdade que para principiantes eles têm a melhor estrutura que possas precisar para as primeiras espumas.

Os benefícos das aulas de surf

Desde a prancha, ao fato a professores (giros, cof cof) prontos a empurrar pelas espumas, torna-se muito mais fácil aprender. E a ganhar confiança. Eles explicam para onde ir, para onde olhar, quando levantar. O melhor de tudo é ter direito a expressões de incentivo, ainda que por vezes em tom de gozo — já estás a levar nas orelhas, que na verdade resultam no empurrão que precisamos para enfrentar a onda sem ajuda e com toda a certeza de que a vamos cortar.

Confesso que comecei ao contrário. Primeiro experimentei sozinha, com pranchas emprestadas, sem perceber muito bem o que fazer. Depois lá resolvi inscrever-me na Lufi Surf School e dominar a Costa da Caparica. Fiz 10 aulas. No meu caso foi suficiente para passar a ir sozinha para as espumas, para as primeiras ondas e depois meter-me em aulas intermediárias com o Ricardo Pina (tem agora uma surfhouse em São João, a Lisbon Surf Villa e continua a dar aulas) que me fez atrever a surfar qualquer mar sob as suas ordens sempre didáticas – aquele rema, rema, rema agora, inesquecível.

Ainda que não tenha fotografias, apenas as gravadas na memória, estive recentemente por Lisboa e regressei às aulas, desta vez com o Filipe da Go Surf Lisboa. Tenho outra maturidade ao entrar no mar, ainda me falta muita confiança para me fazer à onda, no entanto, foram-me feitas correções, vicíos digamos, que fizeram toda a diferença na onda a seguir.

O resultado é que me senti sempre melhor depois de umas aulas, porque percebo onde erro, e esta consciência faz-me evoluir, querer ser, na verdade, melhor. Portanto, eu sou apologista e defensora das aulas porque:

  1. Dão confiança.
  2. Ensinam a interpretar o mar.
  3. Vais perceber facilmente quando é que é o momento certo para o pop-up.
  4. Ensinam coisas básicas como cuidar da prancha, enrolar o leash, a lavar o fato.
  5. Motivam-nos a continuar.

Não importa o nosso nível no surf. As aulas devem ser feitas por todos que querem ser melhores, e para isso é preciso ter a humildade de reconhecer que “eu posso aprender”.