O que o surf já me ensinou

Tinha 25 anos quando me atrevi a experimentar pela primeira vez o surf. Cinco anos depois, decidi que ia ser algo importante na minha vida. E assim se cumpre esta promessa, religiosamente, há quase três anos. As lições de vida que o surf já me deu.

Quando decidi levar isto do surf a sério – dar por mim a comprar prancha e passar a ver todas as manhãs as previsões do mar – tinha este desporto apenas como uma nova diversão na minha vida. Só que tornou-se em algo muito mais importante e intenso do que isso. Entre aventuras mais assustadoras, que incluem cabeça partida e ser arrastada em correntes, a soma das boas partes é muito maior. Eis as lições de vida que o surf já me deu.

#Paciência

As horas a fio à espera da onda que nem sempre vem ou não vem como queremos. Uma chatice pegada, pergunto-me inúmeras vezes porque estou ali, não tinha mais nada de interessante para fazer. Mas acaba por me conquistar a paciência, a serenidade de saber esperar pela melhor onda que ainda está por vir. E não é assim mesmo a vida?

#Coragem

Seja para mar grande, mar pequeno, ondas gordas, ondas tesas, o mar pede coragem. Nunca sabemos que correntes passam por baixo, que mistério nos reserva o mar. Encarar com a humildade de que é o nosso momento de comunhão com a natureza e que, sejam quais forem as condições, pede-nos a coragem de saber entrar e saber navegar.

#Esperança

É só mais uma onda na esperança vã de sermos francamente melhores nessa, mais felizes quiçá. Esperamos sempre que aquela última onda nos traga ao de cima o nosso melhor.

#Amizade

Quem não anda no mundo do surf, não faz ideia da facilidade que existe em criar uma comunidade, uma tribo, um círculo de amigos. Hoje é raro o dia em que entre sozinha no mar, há sempre alguém por perto que quer tanto quanto eu apanhar ondas nesta simplicidade que é a vida.

#Gratidão

Por tudo o que o surf me tem ensinado e dado, eu estou e sou grata. Há dias em que tudo nos corre bem, outros nem por isso. Mas o facto de poder entrar no mar, de me divertir, e de estar em comunhão com a mãe natureza é mais do que razão para me sentir grata e arrancar de mim um sorriso genuíno.