Tag: surfwear

O’Neill e a coleção amiga do ambiente para mulheres

Quando uma marca com a O’Neill se preocupa com o mar, só pode dar vida a uma coleção amiga do ambiente. Da Califórnia para o mundo, eis a O’Neill Active, a coleção para mulheres ativas feita a partir dos plásticos perdidos pela praia.

Por defender a sustentabilidade, acreditar que é por aqui o caminho de futuro para o nosso planeta, encontrar marcas gigantes como a O’Neill a dar cartas nesta área, significa que estou certa das minhas intenções. A O’Neill Active é uma linha eco-friendly que integra a iniciativa global da marca, a O’Neill Blue – Our Ocean Mission que tem como objetivo produzir roupas de surf sustentáveis.

A O’Neill Active surge então nesse contexto, e combina matéria reciclada a materiais de desempenho, através de fios têxteis feitos a partir de plástico reciclado (um projeto da startup norte-americana Bionic). A coleção vai estar à venda a partir de março no site e foi pensada para atividades como a corrida, o surf e o yoga. Conta com sutiãs de desporto, calções, leggings, roupa de surf e fatos de banho com extras que me agradam muito: tem proteção raios UV, secagem rápida e absorvente, e cores vibrantes. Resumindo e concluindo, a reciclagem está mesmo na moda!

Seea: surfwear para sereias

O amor pelo mar deu origem a esta marca de surfwear muito inspiradora, a Seea.

Amanda Chinchelli, fundadora da Seea, quis criar uma marca cujo nome fosse feminino, com musicalidade. Os cortes das peça são pensadas nas ondas, de forma a refletir a necessidade das surfistas. Na Seea encontras rashguards, biquínis e fatos de surf.

Seea celebra o ritmo e a graciosidade das mulheres no mar, nesta magia de surfar as ondas. Leah Dawson, nas fotografias, é uma dessas mulheres e também uma Seea Babe. Espreita aqui  e começa já a sonhar com o verão!

Leah Dawson

I love surfing with other women because there is an extraordinary energy a woman exudes when she is in the ocean. Women, historically, are elegant. When we see a woman embody this elegance in the sea, it is breathtaking. She makes it a dance. She moves with the waves, not always looking just for the maneuver, but enjoying each moment of the ride.

Água de Canela: do Brasil para Portugal

≈ Lembro-me quando os biquínis brasileiros eram o delírio e tínhamos de falar com uma amiga de uma amiga que fosse às terras de Vera Cruz para nos trazer os últimos modelitos de lá. Recebíamos ao fim de umas semanas, às vezes for de época. Mas felizmente hoje esse pesadelo já passou; descobrimos marcas como a Água de Canela, de essência portuguesa mas com toque de samba para nos salvar desta complexa missão de comprar biquíni. Apesar de já existir muita escolha no mercado, eu gosto dos modelos brasileiros, têm sempre um jeito mais ligado à praia, à pele bronzeada, aos mergulhos no mar.

Dei pela Água de Canela no Facebook (e estão no Instagram também). É fazer like e começar a pensar que cores combinam com o nosso tom de pele. Dizem as meninas da Água de Canela que os biquínis, triquínis e fatos de banho são para todas as meninas. Têm poucos números, ou seja, apenas um médio (34/36) e um grande (36/38) de cada peça, o que é bom: não corremos o risco de chegar à praia, estender a toalha e ter uma vizinha com o mesmo biquíni.

Para já encontramos a Água de Canela online. Respondem prontamente, e como sabem que não dispensamos o experimentar antes de comprar, têm showroom por Leiria e vão ter novidades para Lisboa em breve. São biquínis para quem gosta de se sentir confortável na praia, e com confiança. Já me convenceram. ≈

Salt Gypsy: leggings para dançar no mar

Uma viagem de barco pelo Índico deu origem a uma marca de surfwear que já sigo há algum tempo. Danielle Clayton absorve por inteiro o surf enquanto estilo de vida. E por encontrar poucas opções para nós mulheres do mar, surgiu a vontade de desenhar uma marca feminina desde a ideia ao produto final – isto porque as envolvidas na Salt Gypsy são mulheres.

A ideia de ter umas surf leggings para o verão soa-me tão bem. Apetece… Mesmo com a água digamos, mais fresca, do nosso mar. Tirar o peso dos fatos de neoprene. Além disso, nada como ser femininas a dançar nas ondas. E para isso precisamos da roupa certa. Espreitem o site e apaixonem-se.