Tag: osubeachwear

Osú. Beachwear com quê de sagrado

O nome intrigou-me e a delicadeza das peças conquistou-me. Sou etérea, lírica e poesia mas não pensei que alguma vez pudesse encontrar biquinis que me representassem essa maresia. A Osú veio contrariar essa ideia.

Há um quê de experiência nas peças. Conta Kika Seabra, de 26 anos, formada em design de moda, sempre teve vontade de trabalhar com lycras e durante 3 três anos foi dando vida aos biquinis e fatos de banho que imaginava. Por sentir que havia boa aceitação daquilo que criava, apercebeu-se que lhe faltava um elemento para fundamentar o nascer da marca. Margarida Oliveira, 26 anos, designer de interiores, com quem partilha gostos e um percurso idêntico, foi quem justificou essa falta. E a história da Osú começa assim.

Juntas fizeram nascer a Osú. O nome, foi a parte engraçada, segundo a Kika. Certo dia, em casa de uma amiga, deram conta da existência de um animal que iria dar origem a esta marca de beachwear portuguesa. Tratava-se de uma espécie de galinha de silhueta e padrões invulgares, a galinha d’Angola.Intrigadas, começaram a pesquisar sobre esta espécie e aperceberam-se das inúmeras lendas sobre a mesma, de onde se conta quão feia era considerada, mas dotada de muita bondade. Entre letras e histórias, a palavra Osú, que é na verdade a crista desta galinha imperiosa, deu sentido à criação de biquinis, triquinis e fatos de banho que planeavam.

A Osú é assim uma marca sagrada para se passar a ter na gaveta do verão. Como as próprias explicam, o espírito da Osù está intimamente ligado à palavra etérea, pela delicadeza que é transmitida e sentida em cada modelo e padrão. “Desde a criação dos padrões, ao desenho de cada peça, até à criação dos moldes existe uma preocupação natural com a criação harmoniosa na junção das cores, linhas e traços desenhados”, explica a Kika, para que o resultado final seja o reflexo de peças lindas e femininas, que se revelam como uma extensão do corpo da mulher.

Para conceber o sagrado, a inspiração deste ano veio na traça e anos 70. O primeiro elemento foi trabalhado ao nível da forma o segundo, ao nível da silhueta e styling. Esta é a premissa da dupla criativa, trabalhar sempre com duas inspirações para que o resultado seja o mais desprendido e inesperado possível.

Eu já me deixei render ao sagrado e ao profano. Vejam a coleção na página de Facebook e sigam-nas no Instagram. O site está para breve. Haja Osú na vida.