Sessão de surf a solo

Ao início, quando nos metemos nisto do surf, é complicado ter companhia e acabamos muitas vezes por ter direito a sessões de surf a solo. Isto porque não saímos das espumas, demoramos a chegar ao outside, caímos muitas vezes e quem já sabe apanhar ondas é exatamente isso que vai fazer. Mas podemos sempre aprender a desfrutar das nossas idas solitárias ao mar.

Entrar no mar sozinha assusta, confesso. Há que chegar à praia e perceber o estado do mar, se há correntes e as dúvidas que tiver, não tenho ninguém para as debater. Depois, quando entro no mar fico preocupada com a minha figura, os outros surfistas vão perceber que sou principiante, as quedas podem ter um tom mais ridículo e sabe-se lá se não me magoo no meio disto tudo. Portanto, surf e solidão até aqui, parecem não combinar. Só que a experiência da vida, seja ela onde e como for, torna-nos mais sólidos e ensina-nos a superar os medos e a falta de confiança. O que aqui escrevo hoje não é uma fórmula mágica, mas é a minha estratégia para aproveitar melhor estas sessões de surf sem companhia.

Surfar na praia do costume

Quando decido ir sozinha, vou para uma praia que conheço. Apanhar ondas numa praia que nos é familiar, até mesmo com o crowd que possa lá estar, faz-nos ter mais confiança para entrar.

Primeiro a segurança

Agueiros, correntes, simplesmente ficar em perigo não é surf. Devemos ir até onde temos capacidade mental e física. Já sabemos que o surf demora tempo para se aprender, por isso, uma onda de cada vez. E por falar em segurança, nada de deixar as roupas, carteiras, mochilas, sacos, o que for, à vista no carro.

Concentrar no nosso surf

Porque, sinceramente, é o que todos fazem. Ninguém está a avaliar o que fazemos, se caímos ou se temos falta de jeito. O surf é um desporto tão individualista que na verdade só nos faz preocupar com a próxima onda que vamos apanhar, por isso, a nossa figura nada interessa aos restantes surfistas.

Ter bom espírito

Significa ter sentido comunitário, cumprimentar os outros surfistas (aqui há vantagem se fores miúda). Tentar manter o civismo dentro de água, evitar de roubar a onda a alguém e caso aconteça por acidente, pedir desculpa é uma atitude bagus. E faz com que a nossa surfada se torne mais fácil, fluida.

Cair faz parte

Já não me preocupo mais com isso, cair é natural, até o Kelly Slater cai da prancha. Não faz de mim menos capaz, aliás é com as quedas que vamos aprendendo. Nada de sentir vergonha ou desmotivar. A atitude certa é voltar a pegar na prancha e tentar, só mais uma vez. É assim que se constrói a confiança.

Recompensa após o surf

Quando termino a minha surfada solitária, gosto de me presentear. Nada como uma mega taça de açaí na Padaria da Praia, em São João da Caparica para me fazer sentir meritória do meu esforço e dedicação.