Resoluções simples para o resto da vida

Uma lista de resoluções para sempre, mas que podemos começar a praticar em 2017.

Todos pensamos em resoluções para o ano novo, está mais do que enraizado na nossa sociedade mas, quem cumpre até ao fim? Eu não, assumo a minha responsabilidade. Ao longo do ano há resoluções que caem no meu esquecimento, por isso, ainda antes deste ano novo começar, decidi criar uma lista de resoluções conscientes para o resto da minha vida. Aqui partilho.

Aprender o poder do agora. Tanto falo nisto… e escrevo também. Viver o momento presente é para sempre. Quando aprendemos a desligar do passado, que vinga constantemente na nossa memória, nas nossas decisões; quando aprendemos a relativizar as questões da vida, e sentir apenas o que importa, estamos simplesmente presentes. Aqui e agora. Isto implica meditar, respirar fundo, apreciar o que temos à nossa volta. Não ansiar o futuro ou chorar o passado. Esta coisa do hygge que nos ensina a viver as boas experiências do dia-a-dia em casa, na melhor companhia, como beber um chá em frente à lareira, sem sentimento de culpa ou pressão. Saborear simplesmente vida. Uma resolução para adoptar sempre, o estar e o viver o presente.

Menos vida virtual. Contra mim falo, que vivo ligada ao universo digital. Mas não sejamos extremistas. Há dias, numa visita ao Oceanário, reparei que ninguém apreciava os animais. Aqueles monstros aquáticos, que majestosos nadavam, e os nossos olhos ignoravam… Todos registavam o momento apenas para partilhar nas redes sociais. A vida virtual. Vamos combater essa preguiça instalada de guardar na memória os momentos e as fotografias. Que tudo seja documentado em nós e não nas redes sociais. Fazer disto uma missão de equilíbrio para a vida.

Manter foco no minimalismo. Quando me propus a criar o Projecto 21, a intenção era a de passar mensagens de como viver uma vida tão mais feliz com muito menos. Que seja um para todos nós um projecto eterno este de limpar a mente, as emoções e os nossos espaços físicos dos excessos que criamos, compramos, consumimos. Que se abra espaço para os sentimentos bons, o amor, a compaixão, o perdão, a paciência. Uma entrega absoluta a uma vida mais serena, mais feliz. E isto, deve ser feito, sempre.