Lombok, que a civilização demore a chegar

Enquanto Bali foi um ponto de encontro espiritual, Lombok foi a descoberta de paisagens virgens por explorar. De baías azuis turquesas, passeios de mota entre arrozais e altivas palmeiras, e com surf garantido para os mais experientes, esta é a Indonésia que se quer viver no seu estado mais puro.

Esta minha viagem à Indonésia ficou dividia entre as ilhas de Bali e Lombok. Após uns dias por Uluwatu e a aproveitar a boa vibe desta parte da ilha, fui até Kuta, Lombok. Surpreendeu-me a simpatia dos locais, de lhes ver na alma a boa vontade, a harmonia, o querer tratar bem os turistas tão preciosos nestes lugares remotos. É um claro sinal de prosperidade. Surgem os primeiros investimentos a uma escala maior, ainda que muito devagar, nota-se esta vontade de Lombok vingar enquanto destino de férias. Para já, Kuta ainda é uma vila para exploradores, aventureiros, pessoas que procurem por um refúgio da civilização ocidental. Contrasta aqui a Internet, curiosamente, em quase todos os espaços comerciais e de hospitalidade com a falta de água canalizada (diria que as prioridades estão trocadas).

O sossego em Kuta…

Tirando o zumbido constante das motas, consegui em Kuta descansar e desconectar do mundo. Aproveitei conhecer o espaço Mana onde experimentei yoga para surfistas. De longe, para mim, o lugar com mais mística e envolvência para se ficar. Tenho saudades de me sentar no Milk Expresso & Spa de capuccino na mão e a escrever no meu caderno de viagens, de olhos postos na passarela de lambretas rápidas e gente gira a rodopiar (volto a frisar isto, na Indonésia vê-se de facto pessoas mesmo giras, talvez por andarem todas descontraídas, mas é mesmo tudo giro). Quem lá for ao Milk Expresso, recomendo vivamente os pequenos-almoços sejam os ovos com abacate ou os batidos e sumos naturais, e depois aproveitar para fazer uma massagem ao estilo sueco, super relaxante, o melhor que fiz para descomplicar os músculos doridos do surf.

…e nas praias também

Mawi

Tirando duas artérias que atravessam Kuta, o resto da vila bem como os caminhos para as praias são de puro sossego. Aliás quem até aqui viaja sabe que vai atrás da falta de civilização como a conhecemos. Se por um lado temos Kuta de Bali que se assemelha ao nosso Algarve de agosto (no sentido que está cheio de turistas e só se vive para eles), Kuta de Lombok está a romper devagar naquela baía. E ainda bem que assim é. De mota exploram-se os caminhos até se descobrir as praias: Mawi, Are Guling, Tanjung Aan, Selong Belanak. O que têm em comum? Águas cristalinas quentes, areias macias de coral, águas de coco e poucas pessoas (a mais preenchida era Selong Belanak com aulas de surf, pequenos bares de praia em bamboo, cadeiras e chapéus de sol para se passar o dia). São na maioria praias por desbravar, simples, puras, onde os surfistas tentam a sorte naquele mar pouco conhecido. Apenas lamento os plásticos espalhados por toda a parte, que na verdade são um problema por toda a Indonésia.

O surf em Lombok

Gerupuk

Tal como em Bali, o surf não foi fácil para mim. Acho que ficou a faltar um guia local, um professor de surf para me orientar a explorar as praias certas. Tive vontade de entrar em Mawi, mas a onda impôs respeito. Vi os surfistas a remar muito, a tentar contornar a força das correntes do agueiro e isso comprometeu a minha vontade em experimentar. Felizmente fui abençoada em Gerupuk. Marcamos ponto de encontro as 6 da manhã na receção do hotel. Seguimos viagem num caminho de altos e baixos, pranchas penduradas, muita ansiedade por aquilo que nos esperava. À entrada de Gerupuk os locais aguardavam-nos com os barcos prontos para nos navegar até ao primeiro pico, Don-Don, que funciona tanto à esquerda como à direita e apenas quando o mar está maior. Atirei-me do barco, remei, remei, remei. Espreito por cima do ombro direito e vejo a onda a formar, a sorrir para mim. Vinha de facto na minha direção, deixei-me de coisas, e fiz-me à onda. Uau… Lisa, intensa, interminável (remar de volta para o pico foi a segunda parte do desafio, acho que nunca remei tanto quanto nestas férias). Não me irei esquecer da sensação daquela onda. De longe a melhor experiência de surf que já tive, parecia não acabar. Correu tão bem que no segundo dia repeti, mas mais adiante nesta baía de Gerupuk, no pico chamado Inside. Aqui forma uma direita consistente sob fundo de recife. Apanhei mais crowd, mas a simpatia dos locais e confesso, dos surfistas nipónicos (uma agradável surpresa dentro de água), fez tudo fluir. Fica a dica: vale sempre a pena acordar de madrugada. Ver nascer o dia e surfar ao mesmo tempo fez daquele lugar o meu templo do surf.

O lado trendy de Kuta

Há uma liberdade subjacente nestes lugares distantes no mundo (ou do mundo?). Talvez seja por isso que alguns europeus arrisquem deixar para trás a sociedade ocidental e aqui persistirem. Para quem um dia passar por Kuta, El Bazar e Krnk são dois restaurantes com muita boa onda e comida também. Pertencem ao mesmo proprietário e que tem consigo aquela história que tanto queremos ter. A pessoa que abandonou uma carreira internacional das nove às seis na Holanda para descobrir um futuro mais simples em Kuta. Quando lá cheguei ainda estava a sofrer de Bali Belly (não me livrei disso) e felizmente encontrei nestes lugares o conforto de pratos menos adocicados ou picantes e uma boa dose de kombucha para me ajudar a recuperar. O jantar começa cedo e a noite também, é que logo a seguir vamos ter festa num dos bares de praia (há uma festa por noite, todas as noites). Música ao vivo, venda de cogumelos com fartura, Bitangs, miúdas de chinelos e calções, surfistas arranhados pelo fundo coral. Neste misto de culturas conhecemos pessoas de todo o lado, num tempo parado do tempo propenso às conversas soltas pela noite.

Bali: viagem ao meu horizonte

Estou de volta, mas com a alma em Bali. Um lugar tão espiritual quanto pensei ser, emana uma energia tão positiva que só dá vontade de lá voltar, de lá ficar. Uma viagem fisicamente longa, uma viagem tão próxima ao meu horizonte.

Tudo é viagem, tudo é experiência. Sabia que ia custar passar tantas horas nos aviões, demasiadas escalas e tempo morto, mas faz parte da aventura. Assim que saí do avião, mergulhei nos aromas de Bali: em todo o lado o incenso arde. A pele ficou humedecida, o cabelo descontrolado, um cansaço feliz por poisar os pés em terra firme após 25h de viagem. Não vi grande paisagem à chega, a noite cerrada escondeu os primeiros encantos da ilha dos deuses. Mas fui abençoada ao acordar com o som da chuva tropical, pássaros exóticos, macacos saltitantes e uma piscina serena virada a nascente. Ali senti uma paz imensa, meditei, pratiquei yoga. Seguiram-se dias de procura de praias e ondas que se coadunassem com o meu nível.

O surf em Bali

Não é fácil surfar em Bali quando não se tem grande experiência. As ondas são perfeitas, mágicas, mas o fundo coral na maioria dos lugares impõe respeito à falta de destreza. Apanhei a primeira onda ao fim de dois dias em Padang Padang. Com a maré cheia, lá remei e fui. Senti as ondas mais lisas, mais demoradas a desenrolar. Deu-me tempo e oportunidade para cortar logo a onda e ir, quase eternamente no pensamento, a surfar. Ainda tenho em mim essa sensação. De frente para a costa, uma falésia de palmeiras, rocha vulcânica, comerciantes locais com saris e bonés para todos os gostos.

O lado boémio de Bali

Estive por Uluwatu. A meu ver, uma área cool e boémia. Resume-se a pessoas bonitas vindas de todo o mundo, a um povo a querer vingar na vida através do turismo, a refeições com muitos alimentos orgânicos, pratos adocicados como mie goreng ou gado-gado, cheia de vegetais, óleo de coco e amendoim. Batidos e sumos naturais em toda a parte, água de coco (quente, nunca fresca), mas que ainda assim sabe maravilhosamente. Ficam cravados no palato os pequenos-almoços no Bukit Café, aquele bagel com abacate e ovos mexidos escoltados pelo sumo de papaia ou as panquecas de banana divinais (cresce água na boca só de me recordar).

É tão fácil falar com estranhos em Bali. Dás por ti com uma disponibilidade incrível em querer conhecer pessoas, falar, trocar experiências, contemplar o por do sol de Bintang na mão… Surfistas giros, naquele registo hippie chic sofisticado, tatuagens, bronze dourado, cabelos loiros, livres pelo asfalto nas aceleras e pranchas penduradas. O ponto de encontro era sempre no Single Fin ou nas festas nas praias. É um lugar para celebrar a vida, livremente, descomprometidos.

A magia hindu

A religião será sempre um ponto de referência para a forma de vida de um povo. Diz muito sobre hábitos, valores, comportamentos e em Bali, isso não e diferente. Maioritariamente hindus, ao contrário do resto da Indonésia que é muçulmana, a diversidade deles começa inclusivamente no seu hinduísmo que difere do da Índia, e talvez a justificação seja a mistura religiosa que ali se sente. Tanto vemos biquinis reduzidos na praia como mulheres em burkinis. Há pelo meio budistas, católicos, protestantes e outros tantos que têm o seu deus. Mas em Bali tudo flui, naturalmente, como as densas chuvas tropicais. Indicado para retiros, solteiros, pessoas que procurem um sossego interior ou que queiram amor solto nos fins de tarde de engate. Aquilo do Comer, Amar e Orar é tão verdade e pode ser encontrado apenas em Bali (não precisamos de passar por outras paragens).

A inevitabilidade do por do sol

Vi o nascer do dia algumas vezes, andei sempre desorientada com o fuso horário, mas nada substitui o por do sol. Ali tudo funciona ao contrário, a condução por influencia, quiçá, britânica (foi durante algum tempo colónia deles) ou dos países mais próximos como a Austrália, a Lua fica cheia na horizontal, o sol põe-se quando aqui o dia nasce. Nesta equação, estar sentada a beira-mar em Bingin, a ver surfistas a rasgar ondas na vertical como nunca vi, onde o sol se deita devagarinho no pano de fundo, naquele calor húmido… faz-me viajar de volta e a equacionar como um lugar no mundo pode dizer tanto sobre a nossa personalidade.

5 pilares de Dorian Paskowitz para uma vida cheia de saúde e surf

Quando ganhamos admiração por alguém e ficamos com o vazio de nunca poder conhecer, conviver com essa mesma pessoa, é o que sinto, depois de aprender um pouco sobre a vida de Dorian ‘Doc Paskowitz no documentário Surfwise. Um surfista, médico judeu, que abandonou as convicções de uma vida estandardizada para criar uma família de 9 filhos numa velha carinha e muito surf. O meu objetivo não é convencer ninguém a fazer o mesmo, quero antes passar as mensagens vitais de Dorian, o homem que levou o surf até Israel e colocou a saúde em sintonia com o mar.

Para Doc, o surf estava intimamente ligado à saúde, ao viver bem, com longevidade. No livro “Surfing and Health” fala sobre cinco pilares que fazem isso acontecer: dieta, exercício, descanso, lazer, e atitudes da mente. Admirei-o pela franqueza com a qual interpretou a vida, a humildade de não querer ser uma ovelha no rebanho, e destreza de perceber que numa vida ligada ao mar facilmente se atingem os cinco pilares, logo a longevidade. Doc faleceu a 14 de novembro de 2014 com 93 anos, apesar de todas as mazelas que o envelhecimento traz, acreditava que a “saúde é a presença de um estado de bem-estar superior, um vigor, uma vitalidade, uma energia (garra) para a qual tens de trabalhar todos os dias da tua vida,” (tens trabalhado para isso?).

#Dieta

A alimentação importa a todos, não apenas a atletas de alta competição. Esta palavra significa que sabemos fazer escolhas conscientes para o nosso corpo e sentir a plena energia proveniente dos ingredientes naturais. Neste sentido, um pouco extremista talvez, Doc dizia que não queria fazer nada que fosse diferente do comportamento dos nossos primatas. Se comem maçã sem casca, nós também vamos tirar a casca.

#Exercício

Nunca na vida seremos completamente saudáveis se mantivermos o exercício físico longe da vista, longe dos músculos. Doc levava os filhos a surfar todos os dias. Caminhar igualmente todos os dias 10km, correr, praticar alguma atividade que nos dê prazer faz com tenhamos força de vontade, coragem, audácia e consequentemente, mais saúde. Para Doc, o surf é o desporto que devolve a vida ao corpo. Eu, subscrevo, atentamente.

#Descanso

Dormir é tão importante quanto beber água. Desligar o motor e entrar em descanso profundo para recuperar as células do nosso dia desgastante (isto porque quase ninguém larga a vida que tem para andar de caravana à procura da melhor onda, se sim, dá-me coragem para o fazer). Dormir 8 horas por dia. Dormir bem. Todos os dias.

#Lazer

O que é a vida sem prazer, sem nunca fazermos aquilo de que gostamos? Ler, escrever, praticar yoga, jantar com amigos, passar bons momentos seja no que for. Vivenciar uma experiência que nos dê prazer deixa-nos mais felizes, relaxados, menos propensos a pensamentos negativos e isso traz saúde, vitalidade. E cereja no topo do bolo, incluir gargalhadas vindas da alma.

#Atitudes da mente

A sabedoria vem da intenção, da experiência e de encontrar coragem. E tudo isto permite uma vida mais positiva, resiliente. Doc viveu até aos 93 anos com problemas de saúde crónicos – asma e artrite – ainda assim, o surf susteve-o durante todos os seus dias. Ali encontrou no pensamento positivo e forte, a forma de contornar os problemas, chutando para canto o que não interessava.

Quem me acompanha desde o início do Mar de Sal, sabe que tenho vindo a trabalhar esta transformação em mim – a de me tornar mais saudável. Procuro continuamente inspirar-me em indivíduos únicos como Dorian Paskowitz; procuro acordar todos os dias grata pela oportunidade do dia, de enxotar os pensamentos negativos, de recusar açúcar e outros alimentos não naturais, de encontrar um desporto (na ausência do meu surf) que me deixe feliz, cheia de vitalidade, de descobrir sempre a melhor forma de viver eternamente aqui e agora.

E tu alinhas a fazer o mesmo?

Health is a presence of a superior state of wellbeing, a vigor, a vitality, a pizzazz you have to work for every single day of your life.

O surf é compromisso para o resto da vida

Sinceramente não sei como vou voltar ao surf depois destes meses sem entrar no mar. Alguma dica? Lembro-me de um amigo dizer, num tom frustrado, que voltava sempre à estaca zero depois de estar uma temporada sem salgar o corpo.

Eu comprometi-me com o surf como uma relação para a vida, com marés altas, marés baixas, meia goofy ou regular. O que interessa é que hei-de sempre, nalgum momento, entrar por mar adentro com a minha prancha e aproveitar a harmonia que a mãe natureza me dá.

Só que não sei como me vou sentir quando me deparar com o swell… como vai ser este reencontro. Conhecendo-me como me conheço, o mais provável é petrificar uns instantes. Já sei, é não pensar tanto no assunto e deixar-me ir na altura, de sorriso na alma, e entregar-me com toda a paixão e motivação que possa ter. Será o melhor cenário, e o meu foco também para os longos meses de inverno que se avizinham.

Dylan Graves disse um dia que as melhores ondas coincidem sempre com algo importante na nossa vida. É isso que sinto agora à distância quando tenho o telemóvel aos apitos na partilha das ondas do dia. É isso que sinto cada vez que não posso pegar no carro e seguir estrada fora até uma praia qualquer à volta de Lisboa para descobrir aquela onda sorridente na minha direção. Há sempre algo mais importante que me me impede de ter esse momento. Estranha vida a minha. Quando assumi este compromisso com o surf, nunca pensei que ficar longe do mar fosse opção… Vi-me unida ao surf, e com ele, para sempre, por perto. Só que não. Aqui estou. Longe quando o mais importante era estar presente. Porque estava a evoluir, a querer mais, a vencer o medo, a ganhar resistência. Apanhada neste agueiro só me resta remar paralelamente até conseguir sair, nas calmas. Porque como disse, estou de caso sério com o surf. E será para o resto da minha vida.

À descoberta de SUP & Yoga pela Alemanha fora

Como o surf ficou em stand by desde que me mudei para a Suíça, tive de começar a encontrar alternativas que me fizessem sentir um pouco mais ligada à água. A corrente levou-me até a uma aula de SUP & Yoga, que mais uma vez me provou a importância do yoga para o surf.

O Reno atravessa-se por Basileia, sempre contínuo, e obviamente flat. Invejo o barco de wakeboard que se pavoneia de um lado para o outro, com miúdos a darem saltos espetaculares, e eu sentada na margem de cimento, a ver as micro ondas que provoca e a pensar duas vezes se “ao menos tivesse uma prancha…”.

E assim o fiz, arranjei provisoriamente uma prancha. Este fim de semana dei por mim a pedalar 7km pela margem fora e Alemanha adentro, por campos verdes perdida a seguir o GPS, para descobrir uma aula de SUP & Yoga. Há muito tempo que queria experimentar por Lisboa, mas como o nosso mar mexe, acabava sempre por pegar na prancha e ir surfar. Aqui, na falta de mar, esta foi a solução.

Quando cheguei a Altrhein Wyhlen, lá estavam os professores da Yellow Sup e Kalea Yoga,o Lars e a Jasmin (recordaram-me os alemães que encontramos na costa vicentina, sempre bronzeados e felizes), a desfrutar do calor num piquenique improvisado enquanto esperavam pelos alunos. Assim que espreitei o rio, vi que estávamos numa enseada, calma, de reserva natural, cheia de gansos e as pranchas, largas e volumosas, a convidarem-me a um passeio.

Confesso que me diverti. Tivemos 2h dentro de água, 30m para aprender a remar numa prancha de SUP e dar um passeio, e 90m para por à prova o nosso equilíbrio e core com a sessão de yoga da Jasmin. Foi fisicamente exigente, o yoga por si só já nos desafia quanto mais em cima de uma prancha dançante. Mudança de asanas e torções, pernas trémulas, concentrar tudo nos abdominais e um ponto no horizonte. O meu objectivo era simplesmente não cair. O curioso do yoga numa prancha de SUP é que não segue uma sequência como no hatha yoga ou ashtanga, fomos testando o nosso equilíbrio em diferentes posturas. Saí de lá com os músculos a darem sinais de vida.

Acima de tudo, fiquei feliz por poder estar de pé numa prancha a deslizar pela água; senti claro falta da vibração do mar, mas depois, ao passar para a aula de yoga, naquela envolvência tão verde, fez-me esquecer por breves momentos as saudades que tenho do sal, do som das ondas, da areia quente… E focar no momento presente, aqui e agora. Está aprovada a experiência. Agora é repetir enquanto o tempo permitir.

Surf Movies: os filmes de surf que me inspiram

Featured Video Play Icon

Há algum tempo que queria aqui partilhar os meus melhores filmes de surf. Sou curiosa por tudo, tenho deslizes passionais por livros, histórias, filmes, cultura. Gosto de me influenciar por pessoas interessantes, intensas, que me atingem como colisão pelas mensagens que transmitem, pelo que me fazem sentir. Confesso ser uma recente admiradora de filmes de surf, o vício pelo desporto faz-me consumir filmes ou vídeos sem parar. Como consequência, alguns provocam-me arrepios pela espinha.

Given

Impossível não nos deixarmos derreter pela perspectiva de Given sobre aquilo que é o mundo. O dele, neste documentário, é feito de viagens com o pai e a mãe, ambos surfistas, e a irmã recém-nascida, True. Juntos percorreram a simplicidade da vida atravessando 15 países durante 40 meses. O desafio de Given é o de encontrar o “big fish”, a fábula criada pelo pai para explicar o sentido da vida. A narrativa é inocente, mas tão cativante. Recomendo vivamente este documentário. Deixo no entanto o alerta: pode viciar e dar vontade súbita de fazer o mesmo – o de pegar na família e juntos conhecer o mundo.

Proximity

Para lá de espetacular, Taylor Steele revela muita sensibilidade ao juntar duplas do surf mundial como Kelly Slater e John John Florence ou o Dave Rastovich e a Stephanie Gilmore, além do Rob Machado e Craig Anderson e ainda, Shane Dorian e Albee Layer. A dualidade das surfistas, das conversas soltas, francas, convidam-nos a uma proximidade única. Leva 5 estrela, o Proximity.

View From a Blue Moon

Este é, a meu ver, um dos melhores filmes de surf visualmente falando. Acho que nunca mergulhei tanto, literalmente, num ecrã como no filme de John John Florence, View From a Blue Moon. Viajamos com ele por este mundo fora, em busca de ondas perfeitas, num cinema de alta definição. A banda sonora, maravilhosa, intensifica a forma como sentimos a água, a prancha a deslizar. Sensorial. Brutal.

Treinar o surf no asfalto com um Carver Skateboard

O meu primeiro skate foi um Penny. Não me recordo se o meu era o amarelo ou azul, mas era uber cool ir para a escola, nos anos 90, de skate nos pés. No fundo, sempre gostei desta sensação de andar livremente pela estrada fora ao estilo indie Woodstock dos tempos modernos. Quando passei para o surf, o skate estava adormecido até perceber a semelhança dos movimentos e a liberdade subjacente entre as duas atividades. Tudo isto para justificar a chegada de um Carver na minha vida.

Apesar de não haver mar na Suíça, há a vantagem de ter estradas muito boas para andar de skate. Desde que cheguei passou-me a fazer cada vez mais sentido ter um surf skate para me divertir nas ruas e trazer à minha memória um pouco da sensação do surf. É o que faz morar num país da europa central. O que eu espero é que com esta nova prática a minha próxima surfada, não seja um começo do zero. Segundo li no The Inertia andar de skate pode mesmo ajudar a melhorar a performance no mar, mais ainda quando se trata de um skate desenhado para replicar os movimentos do surf como acontece com o Carver.

Compromisso

O surf é assustador, mas andar de skate supera pela proximidade que temos com o alcatrão. De acordo com David, autor do artigo, quando começamos a praticar manobras na estrada estamos a lidar de caras com o nosso receio. Isto faz com que fiquemos um pouco mais audazes a experimentar as manobras no mar. Assim espero (evidentemente sem ir com o rosto ao chão).

Repetição

Uma das vantagens óbvias do skate é poder repetir a manobra que queremos treinar vezes sem conta. No mar, há que esperar sempre pela onda e já sabemos como é que isso corre. A repetição é amiga da técnica. Espero sacar um bottom turn na próxima surfada com a mesma agilidade com que brinco com o skate.

Equilíbrio

A postura no skate e surf são muito semelhantes, exigindo o mesmo tipo de equilíbrio. Confirmo. Andar de skate desafia-nos constantemente o ponto equilíbrio, precisamos de usar os braços e as pernas, além obviamente do core para corrigir o desequilíbrio. Tudo isto se faz e repete no surf.

Os pros também andam de skate

Basta espreitar as redes sociais do John John Florence e encontrar videos dele a deslizar no asfalto. Diz o miúdo maravilha que andar de skate “dá-nos a oportunidade de treinar vezes sem conta uma manobra, o que não acontece no surf” (Stab Magazine | Surfing is the most difficult sport in the world). Ainda que não ande de skate com a intenção de melhorar o surf, prova ser uma consequência lógica a qualquer pessoa que queira fazer algo mais pelo surf fora de água.

Por isso, enquanto uns evoluem no surf dentro de água, os surfistas presos em terra tornam-se criativos e transformam estradas em ondas.

Desabafo de uma surfista em transição

As correntes levam a água salgada a percorrer milhas infinitas. Eu tenho a certeza que vai e volta, não perece no mesmo lugar. Também acredito que esta magia natural corre nas minhas veias. Vou de um lado para o outro, retorno, mas nunca fico demasiado tempo no mesmo lugar. Pela (novamente) primeira vez, em 25 anos, a vida afastou-me do mar. Estou de passagem numa nova experiência e essa decisão custou-me o surf, a praia, a vida boémia ligada ao sal.

Mas alma de surfista será sempre de surfista, esteja onde estiver. Rodeada de montanhas, neve, julho chuvoso, serei surfista. De pele esbranquiçada, cabelo escurecido, serei surfista. Mal humorada pela ausência de sol, apática pelo inaudível som tranquilizante do swell, serei surfista porque corre em mim água salgada nas veias.

Hoje mergulho no rio frio. Recorda-me as vezes que tive o privilégio de ter o mar aos meus pés. E vou ser tão mais grata pela oportunidade de voltar a surfar, de voltar à praia, ao meu lugar. Até lá, sigo e aprendo a viver sem swell.

Como bate forte a saudade de temperar a alma nas ondas…

Como sobre(viver) sem mar

Há uma expressão em inglês que define o meu estado físico neste momento: landlock, presa em terra. Viver com o mar a espreitar no fundo da rua era dado adquirido. Estivesse sol ou chuva, inverno ou verão, ali permanecia o meu mar. Acontece que o malandro tem correntes e desta vez arrastou-me para longe dele. E o surf, perguntam-me. Não sei, mas estou a encontrar forma de sobreviver até o reencontrar.

A maioria deve estar a desfrutar do bom verão português, brindada pela maravilhosa costa que temos, praias por desbravar, peles bronzeadas, pranchas de surf espalhadas, carros repletos de areia e apetrechos de quem passa o dia virado a sol. Onde estou, não tenho nada disso. Confesso que é castigo não ver a imensidão azul no nosso raio de visão, e honestamente, para quem é surfista, custa a triplicar vezes infinito. Mas, como em tudo na vida, temos de nos centrar no lado certo da equação, como quem diz, encontrar uma forma de manter a vida de mar por perto.

Espírito de surf por toda a casa

Fotografias a posters, mapas, adereços, decoração em tons de mar, em casa tudo tem de transpirar espírito de praia. Também vale usar incenso que tenha na embalagem algo como “ocean breeze”. A próxima estratégia é encontrar uma prancha de surf faz de conta para pendurar na parede (como não vou usar, pode ser em cartolina). Se mantivermos o espírito do surf um pouco por toda a parte, disfarça a distância a que estamos do mar.

Vida de surfista continua online

Sites de surf? Subscrevo a todos. Tenho o email cheio de swell, imparáveis notificações nas redes sociais sobre surf, vídeos no youtube de aulas, tutoriais, inspirações… Tudo vale para viajar mentalmente até ao mar. Embora possa soar a tortura na verdade serve para me manter ligada a este estilo de vida.

O asfalto nunca acaba

As ondas nem sempre temos. O asfalto nunca acaba e, por isso, o melhor é ter um skate. Em termos de movimento e de sensação de liberdade, o skate engana o cérebro. É o meu faz de conta que estou em cima da onda a ripar.

Ter foco noutras atividades físicas

Mais fácil é encontrar um lugar para praticar yoga e estrada para correr. Passeios de bicicleta pelo campo também me ajudam a abstrair. O meu foco é encontrar atividades físicas que me mantenham em forma para quando for altura de regressar ao mar, a surfada não seja tão exigente fisicamente.

Encontrar amigos do mar

Se há algo fácil de descobrir – acho que há uma empatia instantânea entre a comunidade surfista – é um amante do mar. Aqui presa em terra já encontrei vários surfistas e estar à conversa com eles ajuda a desligar a ausência das ondas; é que o tema passa a ser snowboard.

 

Como eu gosto de Abacaxi Brasil

Gosto muito de abacaxi, é fresco e combina tanto com o verão. Mais ainda quando se trata dos biquínis de Vivane Schmitz da Abacaxi Brasil. Entra nesta viagem do Rio de Janeiro a Lisboa e fica a conhecer as cores que pintam o meu verão.

Eu sou fã de água de coco, abacate e abacaxi (e tudo soa a Brasil com isto). Sou também fã de dias longos de verão, areia quente, sombrinhas, pele bronzeada, pranchas de surf e muita boa disposição à mistura. Mas nada disto faz sentido se não estivermos giras e felizes na praia.

Foi exatamente na praia do Rio de Janeiro que nasceu a Abacaxi Brasil, de Viviane Schmitz. Formada em Cinema e com uma pós-graduação em Comunicação Social, confessa, em tom de brincadeira, que trocou o mundo da produção na Globo pelos biquínis. E ainda bem que o fez. O amor trouxe-a da cidade maravilhosa a Portugal e por cá foi incentivada a apostar na marca que criou aos 25 anos. Hoje, aos 30 e em Lisboa, está feliz por descobrir que as portuguesas adoram o Rio de Janeiro e que essa boa energia é em parte responsável pelo sucesso da marca. «Eu não imaginava que as portuguesas adorassem TANTO o Rio de Janeiro. Acho que o fato de as portuguesas gostarem tanto desta “energia brasileira de ser”, acaba ajudando e contribuindo para o sucesso da minha marca», conta Viviane.

A Abacaxi Brasil não vende online, o que nos dá alguma exclusividade ao usar os biquínis. Participa em algumas feiras, como na Summer Market Stylista, mas para encontrar estes abacaxis temos de viajar até ao showroom no Príncipe Real, na Travessa Monte do Carmo, 46. Basta tocar à porta que nos aparece Viviane, muito sorridente, pronta a receber-nos. O espaço apela a praia. Biquínis, fatos de banho (ou seja, maiôs), de “jeitinho carioca”, com vibrações do Brasil pelos cortes e cores que tem, pendurados em cabides de corda que contrastam com a parede branca. Assim que entramos, e pela luz natural que rompe por este pequeno espaço, temos vontade de experimentar tudo. O mais difícil é decidir o que levar (na dúvida, levamos um de cada, já que os preços são acessíveis). Dos 14 aos 60 anos, os biquínis Abacaxi Brasil são para todas as mulheres que se identifiquem com a essência da marca, ou seja, a brasilidade que flui nas cores e vibrações que nos levam de volta até ao Rio de Janeiro.

E porquê Abacaxi Brasil? A resposta foi fácil.«A imagem da fruta abacaxi representa de certa forma o Brasil para mim, pelas cores verde e amarelo. Além de ser algo que é mais gostoso comer no calor, ou seja, remete o verão», disse Viviane. E eu não podia estar mais de acordo. Este verão uso e abuso de Abacaxi Brasil.

Sessão de surf a solo

Ao início, quando nos metemos nisto do surf, é complicado ter companhia e acabamos muitas vezes por ter direito a sessões de surf a solo. Isto porque não saímos das espumas, demoramos a chegar ao outside, caímos muitas vezes e quem já sabe apanhar ondas é exatamente isso que vai fazer. Mas podemos sempre aprender a desfrutar das nossas idas solitárias ao mar.

Entrar no mar sozinha assusta, confesso. Há que chegar à praia e perceber o estado do mar, se há correntes e as dúvidas que tiver, não tenho ninguém para as debater. Depois, quando entro no mar fico preocupada com a minha figura, os outros surfistas vão perceber que sou principiante, as quedas podem ter um tom mais ridículo e sabe-se lá se não me magoo no meio disto tudo. Portanto, surf e solidão até aqui, parecem não combinar. Só que a experiência da vida, seja ela onde e como for, torna-nos mais sólidos e ensina-nos a superar os medos e a falta de confiança. O que aqui escrevo hoje não é uma fórmula mágica, mas é a minha estratégia para aproveitar melhor estas sessões de surf sem companhia.

Surfar na praia do costume

Quando decido ir sozinha, vou para uma praia que conheço. Apanhar ondas numa praia que nos é familiar, até mesmo com o crowd que possa lá estar, faz-nos ter mais confiança para entrar.

Primeiro a segurança

Agueiros, correntes, simplesmente ficar em perigo não é surf. Devemos ir até onde temos capacidade mental e física. Já sabemos que o surf demora tempo para se aprender, por isso, uma onda de cada vez. E por falar em segurança, nada de deixar as roupas, carteiras, mochilas, sacos, o que for, à vista no carro.

Concentrar no nosso surf

Porque, sinceramente, é o que todos fazem. Ninguém está a avaliar o que fazemos, se caímos ou se temos falta de jeito. O surf é um desporto tão individualista que na verdade só nos faz preocupar com a próxima onda que vamos apanhar, por isso, a nossa figura nada interessa aos restantes surfistas.

Ter bom espírito

Significa ter sentido comunitário, cumprimentar os outros surfistas (aqui há vantagem se fores miúda). Tentar manter o civismo dentro de água, evitar de roubar a onda a alguém e caso aconteça por acidente, pedir desculpa é uma atitude bagus. E faz com que a nossa surfada se torne mais fácil, fluida.

Cair faz parte

Já não me preocupo mais com isso, cair é natural, até o Kelly Slater cai da prancha. Não faz de mim menos capaz, aliás é com as quedas que vamos aprendendo. Nada de sentir vergonha ou desmotivar. A atitude certa é voltar a pegar na prancha e tentar, só mais uma vez. É assim que se constrói a confiança.

Recompensa após o surf

Quando termino a minha surfada solitária, gosto de me presentear. Nada como uma mega taça de açaí na Padaria da Praia, em São João da Caparica para me fazer sentir meritória do meu esforço e dedicação.

Yoga para Surfistas no Mana Yoga & Studio

O Mana Yoga & Studio foi uma experiência inesquecível. Perdido pelas simples ruas de Kuta, Lombok, ali somos envolvidos pela vegetação local, as enormes palmeiras, as plantas exóticas e os incalculáveis animais desde aranhas a geckos (para nós, assemelham-se às osgas), que ecoam pelo pequeno resort fora. Com aulas diárias, decidi experimentar Yoga para Surfistas.

Ali deitados sob um enorme tecto de palha, ventoinhas gigantes e o burburinho da natureza, a aula iniciou-se em silêncio. Donald Hill é um tipo esguio, sereno, juro que não lhe senti os passos (mantive-me de olhos fechados até iniciar a aula), com um timbre forte, mas calmo. A aula foi dada em inglês, valeu-me saber já de antemão os nomes dos asanas. Começamos com o acalmar da mente através do pranayama completo – encher a barriga e fazer o ar ondular pelas costelas e peito, e na inspiração o sentido inverso – para depois dar início à prática de yoga para surfistas. A aula foi pensada numa sequência lógica de quem passa tempo na prancha, a remar no mar, obrigando costas, ombros, pernas a trabalhar mais do que o normal. Retiro da aula as posturas que mais sentido fizeram ao meu corpo cansado do surf.

Matsyásana ou a postura do peixe

Deitados no tapete esta postura exige a elevação do tórax fazendo com que o alto da cabeça fique apoiada no chão. Mantemos a respiração abdominal até sentir os primeiros sinais de desconforto. Esta postura é especialmente benéfica para a tiroide por causar irrigação sanguínea na área, mas o que mais apreciei na postura é o facto de contrair os músculos da nuca e alongar os das costas. De acordo com o professor Hermógenes, este asana desenvolve a musculatura torácica e da coluna.

Uttana Shishosana ou Postura do Cão Estendido

Nesta postura alongamos a espinha bem como os ombros, e consequentemente, faz com que se desenvolva uma coluna mais flexível. Além disso, é um bom reforço muscular para os braços, ancas e parte superior da coluna. Ou seja, aliviamos e trabalhamos nesta postura as costas tão necessárias no surf. Ficar na postura pelo menos três respirações completas para sentir a descompressão e alongamento.

Parsva Balasana ou Postura da Linha na Agulha

É uma postura simples, mas que traz vários benefícios: além de alongar gentilmente a musculatura superior do corpo, descontrai os ombros, desintoxica, sossega a mente e aumenta a circulação sanguínea no tronco e costas, excelente para ajudar a recuperar suavemente os músculos cansados do surf. Como fazemos uma torção na espinha, estamos igualmente a expelir tensões, logo, a sossegar o corpo e mente.

 Salabhasana ou Postura do Gafanhoto

Aqui trabalhamos flexibilidade, mobilidade, respiração e força. O Yoga deve ser sempre praticado dentro do nosso limite, sem nunca exagerar ou sair da zona de conforto. A postura do gafanhoto exige que a nossa parede abdominal se cole ao chão, seja lisa, intensa sendo também o sustento da postura para que quando se elevem as pernas e os braços, o esforço não seja feito na lombar. Fortalece assim as costas, abre o peito, as costas, dando energia ao corpo.

Todas estas posturas foram feitas mediante as indicações de Donald, que apresentava sempre uma contra-postura para ajudar a recuperar algum eventual desconforto. Eu saí da aula mais leve e com mais certezas de que o yoga é o par perfeito do surf. Pura gratidão por ter feito esta aula no Mana. Agora só me falta encontrar aulas de yoga para surfistas perto de casa. #namaste