Como nutrir a vida de uma surfista (e não só)

Há um momento que separa a minha vida; aquele em que após uma consulta com a médica de família sou chamada a atenção de que o meu colesterol é excessivo para o estilo de vida que levava, e caso não alterasse os meus hábitos alimentares, teria de passar a tomar medicação para ajudar a controlar o colesterol. Se há coisa que sempre tentei evitar foram os medicamentos químicos, aos quais o corpo cria forte dependência. Esse momento trouxe-me o agora.

A alternativa, segundo a minha médica, seria passar a ingerir mais verduras, fosse nas sopas, cozidas ou cruas. Na altura, lembro-me de começar a gostar do excelente aspeto das comidas “no estado natural” que a Felt By Heart colocava no Instagram. Deixei-me levar por essa inspiração. Volvidos três anos, deixei de entrar na pastelaria para pedir um croissant com chocolate para substituir por passeios à hora de almoço aos supermercados biológicos, e de, no momento presente, fazer as escolhas certas. Alimentos que me nutrem de dentro para fora.

Verdade seja dita, sempre protestei que comida verde era para as vacas no pasto. Hoje, estes mesmos verdes, são 90% dos meus pratos.

Resultado: tenho mais energia, um colesterol baixinho, uma vitalidade que não pensava atingir aos 32 anos. Além disso, tenho novos vícios alimentares onde não entram batatas fritas, molhos ou gorduras saturadas. Eis o que não dispenso para me nutrir enquanto surfista, yogi e mais do que no desporto, no meu dia-a-dia.

Salmão. Seu gordo, és a minha perdição. Quem me conhece sabe que tenho uma paixão gastronómica ardente por salmão grelhado. Devemos e podemos consumir salmão a qualquer hora do dia oferecendo assim ao corpo inúmeras proteínas, Vitamina B e Omega-3. Dos inúmeros lados bons do salmão, saliento a importância deste alimento para nutrir o cabelo – quem vive exposto ao sol e ao mar deve consumir este peixe gordinho já que o ajuda a manter-se forte. Consumo de forma ponderada.

Frutos secos. Pouco me falta para ser roedora. Nozes, avelãs, cajus. Gosto de tudo. Os frutos secos têm uma quantidade espectacular de vitaminas e minerais como vitamina B1, B5, B9, B2, ácido nicotínico, vitamina E, B6, ferro, zinco, magnésio, fósforo, selénio e cobre. Só coisas boas. Trago sempre uma caixinha com alguns frutos secos. Comer de forma moderada é o truque.

Espinafres. Fiz alergia em criança; nunca mais comi. Era a desculpa. Tem espinafres? Pois, não posso comer, sou alérgica. Até ao dia que pus os espinafres num dos batidos inspirados pela Joana. Contêm ferro e magnésio, dois minerais essenciais para o nosso corpo. Ficam bem salteadas ou as folhas baby misturada nas saladas, na sopa, nos batidos.

Ovos. Ando sempre com um ovo cozido atrás, além de ajudar com a proteína na questão muscular, é vital para dar energia e tirar ataques de fome. Opto, sempre que possível, pelos ovos biológicos mas já sabemos que os custos de uma vida mais saudável são elevados.

Chocolate (ou como quem diz, cacau). Continua a ser o amor da minha vida, o chocolate. Culpo as minhas origens helvéticas que desde cedo me mostraram um caminho sem retorno. Mas hoje consigo trocar o chocolate de leite por um quadrado de cacau; o sabor amargo é uma questão de hábito tal como beber café sem açúcar. Contribui para a redução da pressão sanguínea e beneficia o coração, além de me ajudar com os estudos à noite.

Uma dieta com equilíbrio e um truque para cozinhar os meus alimentos. Sou presente quando preparo os pratos: penso no valor que acrescento à minha vida por fazer as escolhas certas e agradeço cada nutriente que me alimenta. No fim, rego tudo com amor para o tempero ficar no ponto.

Quais são os teus bons vícios? Partilha comigo nos comentários ou no Facebook.