Categoria: wavestories

Wavestories, porque sou antes demais uma apaixonada pelas palavras. Inspiração de mar.

#wavestories: E gosto tanto

Mar de Sal - Susana Gomes

Piso a areia ainda humedecida pela noite. Os grãos chegam-se a desenhar cinzentos pela praia fora. Vislumbro a espuma branca; com ela viaja a fragrância agridoce da maresia. Neste momento, composto de tudo e nadas, puxo o fato para cima – sinto aquele nervo miúdo a romper pela minha espinha como um ligeiro formigueiro que sobe e aquece a alma. É a antecipação de me entregar ao mar.

Entro em vagar. Pé ante pé. Levemente deixo-me ser beijada pela água cintilante da madrugada. São seis da manhã. A prancha segue ao meu lado. É uma sensação plena, onde me sinto completa. A comunhão de todos os meus melhores e piores sentimentos que ali fluem. Diluem. Por mar adentro.

Passo a primeira rebentação, prancha para o fundo do mar e com ela, o meu corpo trémulo de ansiedade, deixa-se afundar. Lava-me a alma. Ao vir ao de cima, sorrio. Um raio de sol tímido arrasta-se nas calmas pelo imenso azul. Chega-se a mim sem pudor, ilumina-me os bancos de areia por debaixo dos meus pés. Vejo-lhe os segredos.

Sempre que entro no mar, dispo-me de preconceitos. Onda após onda. Em queda livre.

E gosto tanto.

O que apenas um apaixonado por mar consegue perceber

Para algumas pessoas praia é sinónimo de verão. Dias de sol escaldantes, noites de festa na areia, peixe fresco e bebidas veraneantes à mistura. Peles bronzeadas e o sacudir da areia ao final do dia para regressar ao hotel ou onde estiverem hospedados. Apenas uns dias do ano em que se dedicam à vida de praia, de lazer.

Mas para quem, como eu, se habituou a ver o mar todos os dias ao fundo da rua, a entrar nele faça frio ou faça sol, torna-se estranho ou mesmo difícil entender esta paixão imensa azul que nos corre nas veias. O que apenas um apaixonado por mar percebe…

  1. A praia não é apenas verão. Significa mergulhar de corpo e alma inverno ou verão, seja para surfar, dar uma caminhada, respirar ar fresco. Tão vital quanto isto.
  2. Há um orgulho irradiante nas pessoas que vivem perto do mar, inconsciente. É que corre um sorriso de dentro quando dizemos onde vivemos. No fundo da minha rua vejo o mar…
  3. As soluções dos nossos problemas dissolvem-se na rebentação das ondas. O mar tem um efeito tranquilizante na nossa mente. Sentar na praia uns minutos por dia, com os pés na areia, e a ouvir o mar, significa encontrar respostas.
  4. A comida tem mais sabor quando se vive perto do mar. Vai uma aposta? Dizem que é do sal, do mar, do sol, da boa energia. Tudo sabe melhor.
  5. Nunca se perde aquele encantamento inocente quando se regressa ao mar. É como se o víssemos sempre pela primeira vez.
  6. Um verdadeiro apaixonado por mar não compreende os não gostam de mar. Não se percebe, mesmo. É que não dá mesmo para perceber… Sério.
  7. Não nos imaginamos viver longe do mar. E mesmo que se viva, será por uns tempos. Filhos de marés regressam sempre à sua praia.
  8. 80% das nossas roupas são para a praia. É uma moda que não passa de moda, digamos.
  9. Não nos importamos de trazer a areia connosco para o carro, casa, sapatos… Há sempre areia presente. Faz parte da mobília.
  10. Planear viagens inclui sempre presença de mar. É complicado ficar em “terra” apenas.
  11. Respeitamos o poder do mar. Deixamos as praias limpas, não desafiamos o mar considerando-nos inatingíveis. O mar é bom, mas não descuramos do seu poder.
  12. Nada nos deixa mais felizes do que um mergulho no mar.

Portanto, se és apaixonado pelo mar tudo isto faz sentido. Se não faz, é porque não és. Simples assim.

No princípio estava a onda

Hoje tenho um boa onda para partilhar. Aquela de meio metro, que se desdobra  numa criança feliz, sem tempo a desperdiçar. Como é bom não parar um segundo e querer a todo o instante sentir esta vida ondular que desliza entre o leve sopro da brisa e a energia contagiante do mar. Isto para te admitir, voltei ao mar. A amar o mar.

Pensei que não fosse capaz, que ali tivesse para sempre uma memória associada, ainda que de bons momentos, mas que refletissem a saudade. Saudade pesada ancorada a uma vida que não volta mais à tona, e afunda, profunda. Só que encontrei na minha prancha a tábua de salvação. A capacidade de mergulhar por baixo de cada onda, rebentação, espuma branca, e regressar, rompendo pela crista acima.

Sem Saudade.

Depois, passei também a saber que basta encontrar o foco, não pensar, focar para onde quero navegar a vida e deixar-me ir. Posso cair, posso levar com a tábua cabeça, a cabeça pode de novo partir, mas como Buda diz, por pior que tenha sido o passado, podemos e devemos sempre recomeçar. E é isso que me ensina o mar.

Estou grata por permanecer em mim a curiosidade ingénua de uma criança que desbrava o mundo no primeiro andar. Observar assim mesmo como se tudo fosse a primeira vez nesta intensidade ondular da vida que vai e vem, traz e leva, retira e devolve, e só aproveita quem se deixar levar pelo mar. Como os carreirinhos que fazemos de braços estendidos e biquinis perdidos, enrolados e divertidos, nas ondas tombando ininterruptamente de puro espaço e lúcida unidade, onde apenas encontramos, apaixonadamente, a nossa própria liberdade*.

Por isso não fazia sentido ficar com saudade de um momento que não é meu, de uma saudade que não me faz sentir a superfície. De uma saudade que não vale a pena ser saudade. Porque o que se quer é sentir uma gratidão profunda por tudo o que o universo nos dá, sempre em medida certa. Ondas grandes, ondas pequenas, ondas picadas e revoltadas. Puras ondas. Boas ondas.

Tinha mesmo de voltar ao mar. Acima de tudo, a amar o mar.

*Sophia de Mello Breyner Anderson

Desabafo de uma surfista em transição

As correntes levam a água salgada a percorrer milhas infinitas. Eu tenho a certeza que vai e volta, não perece no mesmo lugar. Também acredito que esta magia natural corre nas minhas veias. Vou de um lado para o outro, retorno, mas nunca fico demasiado tempo no mesmo lugar. Pela (novamente) primeira vez, em 25 anos, a vida afastou-me do mar. Estou de passagem numa nova experiência e essa decisão custou-me o surf, a praia, a vida boémia ligada ao sal.

Mas alma de surfista será sempre de surfista, esteja onde estiver. Rodeada de montanhas, neve, julho chuvoso, serei surfista. De pele esbranquiçada, cabelo escurecido, serei surfista. Mal humorada pela ausência de sol, apática pelo inaudível som tranquilizante do swell, serei surfista porque corre em mim água salgada nas veias.

Hoje mergulho no rio frio. Recorda-me as vezes que tive o privilégio de ter o mar aos meus pés. E vou ser tão mais grata pela oportunidade de voltar a surfar, de voltar à praia, ao meu lugar. Até lá, sigo e aprendo a viver sem swell.

Como bate forte a saudade de temperar a alma nas ondas…

No meu mar a minha espiritualidade

Lembro-me de ser miúda e questionar incansavelmente os mais velhos sobre o Mundo de Sofia, pela vida em geral. Isto da religião, da fé, da vida depois da morte. Recordo-me com franqueza das respostas sábias de que um dia iria encontrar solução para as minhas dúvidas existenciais. Tudo leva o seu tempo, mas nada fica sem resposta, nem mesmo a própria espiritualidade.

Esta tão boa e feliz sensação de flutuar é o que mais se assemelha, para mim, à fé. Sabe mesmo bem, sem muito bem conseguir explicar por palavras, a verdadeira sensação. O soltar, deixar ir,  é a minha fé. Mas até encontrar o meu lado de poder interior, vaguei pela religião católica, silenciei-me nas mesquitas no Dubai, enveredei por livros de auto ajuda e mestres budistas. Namaste tornou-se na palavra gentil praticada obrigatoriamente no meu dia a dia; Amén o respeito profundo por um Deus omnipresente, mas a minha espiritualidade, essa no seu estado mais puro, advém do mar. Aqui reina a força de Adamastor e a compaixão de Iemanjá. É ali que a minha força ali se sustenta, protegida pelos rochedos e milhões grãos de areia a levar o que não importa e a trazer o que preciso. É no mar que retempero a minha energia, nas ondas descubro a minha felicidade. É na partilha deste maravilhoso mundo que sinto a minha fé.

Com isto quero apenas salientar quão importante é, para cada um de nós, descobrir a sua espiritualidade, força motriz, capacidade de superação. Não precisamos de nos cingir ao que nos ensinaram, somos livres de encontrar em qualquer forma ou sentido, a chama interior que nos sustenta. Ainda que para alguns deus esteja morto, o que vive dentro de nós e se o permitirmos, é mar. Vai e vem, traz e leva, e intenso se mantém.

Ondas soltas.

≈ Porque sou feita de sal, só estou bem no mar. Porque só estou bem salgada, com frio, gelada. Mas no meu mar de sal. Conservada. Porque outrora quis ser peixe, hoje sou sereia que dança horas a fio nas ondas do mar. ≈